Início » Sexo e sexualidade » Afinal, o que é tesão?

Sexo e sexualidade

Afinal, o que é tesão?

9 de novembro de 2021 | Por: Redatora E aí, rolou?

Provavelmente, você já sentiu tesão em algum momento da vida. No entanto, você pode não saber do que se trata exatamente isso ou por que e como ele ocorre. Em primeiro lugar, é preciso deixar claro que o tesão está associado à libido, que é responsável pelos impulsos e desejos sexuais que sentimos.

Para explicar melhor o tema, abordamos o que é tesão e libido, a anatomia envolvida e os motivos pelos quais sentimos vontade de ter relações sexuais. Vamos lá?

Tesão e libido

O tesão nada mais é do que a vontade de ter uma relação sexual, estando este mais atrelado à excitação. Além disso, ele está diretamente associado à libido, que é o desejo ou impulso sexual, a busca instintiva pelo prazer. Então, enquanto a libido tem mais a ver com o desejo, o tesão tem mais relação com a excitação sexual, em si. 

Inicialmente, numa relação sexual, temos o desejo, o qual surge após estímulos. Esses estímulos são individuais, ou seja, cada pessoa se excita ou tem a libido (desejo) despertada por ações, visões ou pensamentos individuais, que vão levar à excitação. 

Cada um sabe do que gosta: beijos, carícias, ver o corpo do (a) parceiro (a) nu, assistir a filmes eróticos ou ler contos do mesmo gênero, ouvir ou falar palavras como elogios, carinho, etc. 

É preciso deixar os tabus de lado e ter em mente que libido, tesão e desejo fazem parte da nossa vida. Temos vontade de comprar uma roupa, de comer um alimento, de ter um trabalho, de viajar, de assistir a um filme, de ouvir uma música, de beijar e de namorar, bem como temos vontade de transar.

Mas é importante ressaltar mais uma vez que as vontades são pessoais. O que é desejo para uma pessoa pode não ser para outra, e assim por diante. É necessário também entender que essas vontades existem e são reais. 

Por isso o diálogo é tão importante em uma relação, seja em um relacionamento sério ou em uma relação casual. Ouvir e falar sobre suas vontades e de seu parceiro ou parcera na hora do sexo pode fazer a diferença. 

Portanto, não tenha vergonha de sentir desejo, de sentir tesão. Noss a mente e nosso corpo todo está preparado para o prazer. Nossos mecanismo biológicos contam com uma série de hormônios, neurotransmissores e substâncias que são liberadas durante a excitação. 

As mulheres, por exemplo, têm um clitóris, cuja única função no corpo é proporcionar o prazer. Por isso, se houver respeito, saúde, vontade e, consequentemente, tesão, por que não se permitir?

Como ocorre a resposta sexual?

A resposta sexual acontece devido aos estímulos que levam à excitação. Esses estímulos são pessoais, ou seja, cada indivíduo vai ter suas preferências: toque, beijo, ver um filme, uma foto, escutar e falar, etc. As formas de alguém ficar excitado são diversas.

Em relação à anatomia humana, podemos dizer que, quando o estímulo leva à excitação, ocorrem várias alterações no corpo, devido à liberação de hormônios e neurotransmissores. 

A respiração fica ofegante, há vasodilatação na face (bochechas rosadas), nas mulheres mamilos ficam intumescidos (maiores e mais “durinhos”), a pele fica mais sensível ao toque, os batimentos cardíacos aceleram, além de muitas outras modificações.

No canal vaginal, por exemplo, ocorre a “expansão” dos 2/3 internos (ele se alonga, cresce) e a vasocongestão nas paredes com transudação de líquido para o interior (a região fica úmida, com secreção transparente e sem odor, bem fluida). Já o colo e o corpo do útero se elevam.

Na vulva (parte externa da vagina), essas modificações ficam muito visíveis: o clitóris aumenta, fica mais “duro” (é composto por tecido erétil, semelhante ao do pênis). Os lábios também ficam maiores e a vulva, por causa da vasocongestão, fica mais rosada. 

A musculatura perineal começa a contrair e relaxar, cada vez com uma frequência maior e com uma intensidade mais alta. A partir disso, quando a pessoa está em seu nível máximo de excitação, o prazer chega também ao seu nível mais elevado.

Então, por meio de um arco reflexo (não é voluntário), ocorre uma contração máxima da musculatura, liberação de mais hormônios e mais neurotransmissores, tudo isso acompanhado de sensação de euforia e prazer, que é o que chamamos de orgasmo.

Depois disso, se a mulher continuar sendo estimulada, poderá ter outros orgasmos. Se não, o corpo entra em estado de relaxamento. A musculatura perineal terá vários “espasmos” (movimento de relaxar e contrair), até relaxar totalmente.

Podemos ver que o corpo humano é todo “preparado” para sentir prazer! E essas reações são completamente naturais, mas cada mulher pode tê-la ao seu tempo. 

Por que sentimos tesão?

Para a ciência, o tesão (desejo sexual) não está correlacionado às relações românticas ou afetivas. A bioquímica é a chave para responder à pergunta “por que sentimos tesão?”

Isso porque há um processo responsável por remover o equilíbrio ao longo do corpo, o qual pode ser percebido de diversas formas.O coração dispara, as pernas ficam inquietas, as mãos  suam e, às vezes, a pessoa fica até sem fôlego. Esses são alguns sintomas despertados pelo desejo. 

Mas, afinal, por que isso ocorre? 

A resposta está no cérebro, a partir da liberação de diversas substâncias que nos deixam eufóricos quando estamos com tesão. Vale destacar que tudo isso está atrelado a aspectos psicológicos, os quais sofrem variações de pessoa para pessoa. Entretanto, boa parte dos seres humanos possui uma libido pronta para ser ativada e explorada.

O simples ato de pensar em alguém que estamos a fim pode levar a diversas alterações no nosso organismo, e os responsáveis por isso são os neurotransmissores — substâncias químicas que enviam informações a outras células, os quais podem estimular a continuidade de um impulso ou efetuar a reação final no órgão sexual ou músculo alvo. 

No que diz respeito ao sexo, é possível perceber que esses sintomas de paixão e excitação ocorrem de maneira muito rápida no nosso organismo, normalmente acontecendo ao mesmo tempo, inclusive. No entanto, cada reação possui um efeito específico no nosso corpo. 

Então, antes mesmo de chegar aos órgãos reprodutores, os quais atrelamos ao ato sexual, os neurotransmissores espalham impulsos por todo o organismo, o que faz com que diferentes regiões passem por estados de alterações

O papel dos hormônios

Além dos neurotransmissores, os hormônios sexuais são imprescindíveis para a ocorrência do tesão. Isso porque, por meio da corrente sanguínea, eles agem sobre o órgão sexual do indivíduo. No entanto, levam mais tempo que os neurotransmissores. 

Sem o amadurecimento dos hormônios sexuais, não seria possível que os indivíduos sentissem desejo e atração física. Afinal, os seres humanos só estão preparados para esse tipo de relação a partir da puberdade, quando o corpo passa por mudanças fisiológicas importantes. 

Vale destacar que, independentemente de haver tesão ou não, esses hormônios sexuais não deixam de ser secretados e de agir no nosso organismo. No entanto, se houver uma interrupção ou queda na produção dos mesmos, a pessoa não conseguirá sentir desejo e excitação da mesma forma, tendo dificuldades para responder a estímulos.

Por fim, é válido ressaltar que é completamente normal sentir tesão e ter vontade de transar. Além disso, também é comum sentir vontades que você pode achar “estranhas” ou em momentos “inapropriados”, afinal, a atração acaba sendo involuntária e as preferências de cada um são totalmente individuais. 

Não sinta vergonha de sentir o que você sente! Em caso de dúvidas sobre tesão, libido e sexualidade, você sempre pode ter uma conversa sincera com seu ginecologista.

Gostou? Compartilhe!

Gostou? Compartilhe!

Por: Redatora E aí, rolou?


Deixe seu comentário