Início » Seu corpo e sua saúde » Espinha na vagina: como lidar com esse inconveniente

Corpo Feminino

Espinha na vagina: como lidar com esse inconveniente

6 de julho de 2020 | Por: Redatora E aí, rolou?

Pois é, não é fácil… Além de tudo, a gente ainda tem que lidar com espinha na vagina! É isso mesmo: nós, você, todo mundo pode sofrer com espinhas em lugares que a gente definitivamente não quer

É bem normal e acontece com mais frequência do que você imagina! Pode parecer engraçado ou super vergonhoso conversar sobre isso, mas nada é vergonhoso quando se trata do nosso corpo. Tudo que acontece com a gente é natural e pode nos ajudar a entender melhor como está nossa saúde.

Por isso, se você está sofrendo com isso ou só quer se informar e se prevenir, vamos te explicar certinho porque isso acontece e ainda separamos algumas dicas que vão ajudar a aliviar o desconforto.

Vem com a gente! 

Queremos te conhecer um pouco melhor.
Responda estas 3 questões em menos de 30 segundos e ajude a gente a produzir conteúdos ainda melhores para você!

Por que aparecem espinhas na vagina? 

Espinhas podem acontecer em qualquer região do corpo que possui glândulas sebáceas, que é o caso de toda a região da virilha, vulva e entrada do canal vaginal. 

Bom, vamos lá: glândulas sebáceas¹ são órgãos microscópicos distribuídos por todo o nosso corpo (exceto nas palmas das mãos e dos pés). Elas têm como função secretar uma substância oleosa, chamada de sebo, que lubrifica e impermeabiliza nossas peles e pelos.

Apesar dos possíveis problemas com espinhas, elas são muito importantes para o nosso corpo! Elas evitam ressecamento e ainda agem contra o crescimento de alguns microorganismos na pele. 

Então as espinhas podem aparecer mesmo nas áreas com menor produção de óleo como a vulva, virilha, entrada da vagina, grandes e pequenos lábios. Principalmente porque a região é mais úmida e interna, e acaba sofrendo com excesso de transpiração e oleosidade. 

Espinhas podem acontecer quando o sebo é produzido de forma exagerada, pois ele se acumula e acaba obstruindo os poros. Esse entupimento causa uma inflamação, que expressa em forma de acne. É exatamente o mesmo processo que acontece com espinhas no rosto, nas costas, etc. 

Mas o exagero na produção do sebo não é o único responsável pelo aparecimento de espinha na vagina (ou em outras partes do corpo). Existem alguns fatores que podem contribuir para a obstrução das glândulas sebáceas. E, consequentemente, para o aparecimento de espinhas: 

alteração hormonal (que está relacionada ao aparecimento de acne em diversas regiões do corpo );

consumo exagerado de alimentos com açúcar, carboidratos brancos e laticínios ;

excesso de suor no local;

depilação íntima com lâmina;

falta de higienização;

roupas muito apertadas que favorecem suor e irritação.

Devo me preocupar?

A princípio, não. A espinha na vagina ou mesmo a espinha nos pequenos lábios não é um problema grave. É normal de acontecer e o tratamento é bem simples.

Mas, se a frequência e a quantidade forem altas, é bom ficar um pouco mais atenta e marcar uma consulta com a/o ginecologista para conversar sobre o assunto.

Uma inocente espinha pode evoluir para uma inflamação local, que causa ainda mais incômodo, dor, inchaço e vermelhidão. Ou pode ser um sinal precoce de hidradenite, inflamação crônica dos folículos pilosos que é facilmente confundida com a acne.

Então não se desespere, só fique atenta aos sinais que o seu próprio corpo está dando, tá bom? Quanto mais você se conhecer, mais vai dominar todas essas questões!

Como tratar espinhas na vagina?

Normalmente, o tratamento da espinha na vagina é bem simples e fácil. Voltada, principalmente, para uma rotina de cuidados com a região. 

Mais que recomendação, a primeira ordem é: não cutuque e não esprema! Independentemente de onde a espinha esteja é fundamental não ficar mexendo nela, pois isso pode provocar uma infecção mais grave.

É bom que você intensifique os hábitos de higiene íntima, principalmente se estiver menstruada. Mas você não precisa de sabonetes e lenços mirabolantes, ok? Troque o absorvente a cada 4 horas no máximo e mantenha a higiene da vulva com água corrente. 

Se estiver incomodando muito, pode colocar uma compressa de água quente no local, com cuidado para não pressionar muito ou se queimar. 

  
  

Inscreva-se em nossa newsletter!

Receba conteúdos exclusivos

Mas nada de tomar remédios por conta própria, hein! Se a espinha permanecer por muito tempo ou estiver muito dolorida, converse com o seu ou sua ginecologista para que te indique o melhor tratamento. 

Espinha nos grandes lábios, o que fazer? 

Apesar de estar em um lugar escondido, a espinha nos grandes lábios pode ser um pouco mais incômoda que em outras regiões. Por isso, quando ela aparece:

evite usar roupas muito apertadas por períodos longos. Elas abafam a região e aumentam o atrito;

procure optar por calcinhas de algodão ao invés dos materiais sintéticos que aumentam a transpiração.

Espinha nos lábios internos, o que fazer? 

A primeira coisa é não espremer! E sim, vamos repetir isso sempre que sua dúvida for o que fazer com uma espinha. Nós sabemos o tanto que a acne incomoda, principalmente em um local tão sensível como a vagina. Mas, resista à tentação, pelo seu próprio bem!

Nós lutamos bravamente para resistir. Você também consegue!  

Além disso, todas as recomendações que demos acima são válidas para tratar espinha nos lábios internos. Mantenha bons hábitos de higiene para evitar uma infecção e a piora da espinha.  

Como saber se é uma espinha ou algo mais sério? 

Como você viu, a espinha na vagina não é algo sério. Mas é muito importante que você fique atenta aos sinais do seu corpo e aos sintomas.

Quando as espinhas aparecem com muita frequência e/ou em grande quantidade na região da vagina, é bom marcar uma consulta com o seu ou sua ginecologista para conversar sobre o assunto.

Queremos te conhecer um pouco melhor.
Responda estas 3 questões em menos de 30 segundos e ajude a gente a produzir conteúdos ainda melhores para você!

Pode não ser nada, mas a precaução é o melhor remédio para ter uma boa saúde. E é sempre bom manter o papo em dia com a sua médica, não é mesmo?

Importante: quando a espinha na vagina vem acompanhada de sintomas como sangramento, corrimento vaginal e dor durante a relação sexual, procure imediatamente seu ou sua ginecologista. A situação pode ser um quadro de infecção sexualmente transmissível (IST), por isso é fundamental investigar.

E quando tenho pelos encravados na vagina, o que fazer?

Espinha na vagina e pelo encravado são coisas diferentes e possuem características distintas. O pelo encravado acontece por causa de um entortamento do fio que não consegue “furar” a pele e fica preso lá dentro. Normalmente, provoca um caroço avermelhado que dói e incomoda bastante.

Mas também pode ser que apareça uma pontinha esbranquiçada na região central do caroço, por causa do acúmulo de peso abaixo da pele. E por isso pode ser confundido com uma espinha.

Quando o pelo encrava, o incômodo pode ser bem grande. Por isso evite usar roupas muito justas, para diminuir o atrito local. E se der pus, já sabe, né? Nada de espremer! Você tem que esperar que ele seja reabsorvido pelo corpo, pois estourar aumenta o risco de infecção. Se tiver incomodando muito, pode colocar uma compressa quente na região.

Para evitar mais pelo encravado na vagina é bom fazer uma esfoliação local leve com bucha vegetal a cada 15 dias!

Pra terminar o assunto, é importante que você saiba como evitar a espinha na vagina (e outras infecções): higienize muito bem a área toda vez que tomar banho. Evite se depilar com lâmina, escolha roupas menos apertadas, use mais calcinhas de algodão. De tempos em tempos, deixe essa região do seu corpo respirar! 

Se você perceber uma frequência alta de espinha na vagina ou ferimentos, converse com o seu ou sua ginecologista!

Ah, vale sempre lembrar: tá tudo bem ter dúvidas sobre isso! É fácil de achar que esse tipo de coisa só acontece com a gente, mas acredite: acontece com muita gente! Converse com as suas amigas ou com pessoas de confiança ao seu redor. 

Queremos te conhecer um pouco melhor.
Responda estas 3 questões em menos de 30 segundos e ajude a gente a produzir conteúdos ainda melhores para você!

E pode sempre contar com a gente


Referências

¹ MARTINI, Frederic H. Anatomia humana [recurso eletrônico] / Frederic H. Martini, Michael J. Timmons, Robert B. Tallitsch; tradução Daniella Franco Curcio – 6.ed – Porto Alegre: Artmed, 2009.

  
  

Inscreva-se em nossa newsletter!

Receba conteúdos exclusivos

Gostou? Compartilhe!

Gostou? Compartilhe!

Por: Redatora E aí, rolou?


Deixe seu comentário

Comentários

  • Maria

    16 de junho de 2021 | 06:34

    Gostei doque fui informada obrigada

    • Redatora E Aí, Rolou?

      8 de julho de 2021 | 11:24

      Obrigado, Maria. Continue nos acompanhando aqui e no nosso instagram @eairolou

  • Gláucia

    14 de junho de 2021 | 23:57

    Gostei Foi bem.esclarecedor Gratidão

    • Redatora E Aí, Rolou?

      8 de julho de 2021 | 11:24

      Obrigado, Gláucia. Continue nos acompanhando aqui e no nosso instagram @eairolou

  • Aigleia

    8 de junho de 2021 | 06:17

    Obrigada pelas dicas, e foi muito útil pra mim.

    • Redatora E Aí, Rolou?

      8 de julho de 2021 | 11:28

      Obrigado, Aigleia. Continue nos acompanhando aqui e no nosso instagram @eairolou

  • Monica

    15 de maio de 2021 | 04:53

    Otima matéria

    • Redatora E Aí, Rolou?

      12 de julho de 2021 | 16:00

      Oi, Monica, muito obrigado! Continue nos acompanhando aqui e no nosso instagram @eairolou.

  • Bianca Mendes

    9 de dezembro de 2020 | 08:06

    Bem explicado Muito obg pela informação

  • Edna

    26 de novembro de 2020 | 23:06

    Muito bom ler sobre. Agradeço demais.

  • Suzane

    17 de novembro de 2020 | 23:20

    Foi tão bom ler isso, porque achei que eu era a única a passar por isso. Embora esteja passando por esse probleminha inesperado, me sinto mais aliviada em saber como lidar com ele. Nota 1000 para você Ray.

  • Lauren

    14 de setembro de 2020 | 19:16

    Eu amo o conteúdo de vocês!