Início » Seu corpo e sua saúde » Vamos falar sobre clitóris?

Corpo Feminino

Vamos falar sobre clitóris?

27 de novembro de 2020 | Por: Redatora E aí, rolou?

Conhecer o próprio corpo… Eis uma coisa que poucas pessoas fazem, mas felizmente essa situação vem mudando a cada dia. Mais e mais, corpos femininos estão sendo estimulados a se conhecer e encontrar sua própria maneira de ter uma vida sexual saudável. E, falando nisso, muitas pessoas também enxergam o clitóris como um enigma a ser desvendado.

Você não deve ter vergonha de não saber onde fica o clitóris ou qual a função dele. Afinal de contas, fomos reprimidas por muitos e muitos anos quanto ao nosso corpo, como se nos descobrir fosse pecado e algo ruim. É importante começar dizendo: você é livre para descobrir o seu corpo e o que te dá prazer! 

Muita água teve que passar debaixo da ponte para chegarmos até aqui, e claro que a gente está aqui para te dar aquela força. Aprender sobre o clitóris e a importância é fundamental para uma vida mais leve e saudável. Saiba mais

O que é clitóris?

O clitóris é um pequeno órgão erétil localizado na parte superior da vulva, composto por uma glande, um corpo, dois pedúnculos (ou hastes) e os bulbos do vestíbulo. Concentrados ali, existem mais de 8 mil fibras nervosas (o dobro do número encontrado no pênis), sendo o órgão com maior concentração nervosa de todo os corpo humano, e tem o prazer sexual como sua única função.  

Um pouquinho de história

A existência, anatomia e função do clitóris vem sendo debatida através a história humana, mas essa narrativa foi sempre dominada por uma perspectiva masculina: líderes religiosos, médicos e acadêmicos se revezaram durante séculos na tentativa de caracterizar esse órgão – e, claro, tudo sempre profundamente conectado a questões sociais, políticas e morais das diferentes épocas e lugares. 

Em 1559, um cirurgião italiano chamado Realdo Colombo identificou “oficialmente o clitóris pela primeira vez, apesar de sua existência já ser conhecida pelos anatomistas gregos desde o século II a.C.. Desde então, o clitóris vem sendo ou mal representado ou totalmente ignorado – novamente, sempre na perspectiva masculina. 

Questões morais e religiosas sempre tiveram força também, é claro. A ideia de que o prazer, desejo e masturbação são pecados é muito antiga, apesar do prazer feminino ter sido associado à fertilidade no passado. 

A partir dos  anos 1800, mais e mais médicos passaram a assumir que orgasmos e prazer sexual em corpos femininos eram  sinal de doenças, geralmente chamadas de histeria. Sigmund Freud, um neurologista e psiquiatra, conhecido como o pai da psicanálise, na virada de 1800 para 1900 propôs o conceito de orgasmo vaginal em oposição ao orgasmo clitoridiano sugerindo que o primeiro estaria mais associado ao amadurecimento psíquico que o segundo.. 

Sabemos hoje que nessa o Freud mandou mal, mas acabou contaminando profundamente nosso imaginário sobre clítóris e sexualidade feminina. Um estudo realizado em 2008 no estado de São Paulo teve como resultado que 23,7% das mulheres entrevistadas não chegam até o clímax durante suas relações, enquanto somente 3,5% dos homens relataram essa dificuldade. 

Independente se estamos falando de religião, cultura ou história, a verdade é que o desejo e a prática sexual ainda são vistos como coisas masculinas, o que faz com que meninos sejam incentivados e meninas sejam repreendidas. A pornografia é um exemplo muito claro disso, já que sua produção é quase inteiramente voltada para uma suposta fantasia cis-masculina de sexo. 
Não deixe que isso tudo contamine o seu autoconhecimento e amor próprio. Prazer sexual e uma vida sexual saudável são direitos seus. 

Hoje em dia, após diversos movimentos pela independência e autonomia das mulheres, estamos passando um processo de libertação dos nossos corpos. Ainda temos um longo caminho pela frente, mas você já pode fazer parte desse movimento e descobrir o seu próprio prazer. Se o clitóris só existe para dar prazer, por que não usá-lo?

Como é a anatomia do clitóris?

A anatomia do clitóris é bem mais parecida com a do pênis do que se imagina. Assim como o órgão sexual masculino, o clitóris tem uma glande, recoberta pelo prepúcio formado pela união dos pequenos lábios e um corpo cavernoso que envolve a abertura da vagina perto da sua entrada, chamado de bulbo do vestíbulo. 

A maior parte do clitóris, entretanto, está “escondida” dentro do nosso corpo. O corpo do clitóris se estende em duas hastes de mais ou menos 10cm de cada um dos lados. O clitóris está repleto de vasos sanguíneos, que dilatam durante a excitação, o que pode fazer com que ele fique ereto (de uma forma muito parecida com o que acontece quando o pênis fica ereto). e são responsáveis pela produção da lubrificação vaginal durante a excitação. 

Existem diferentes tipos de clitóris?

Não existem, necessariamente, classificações para os tipos de clitóris, mas sabemos que há diferenças e, é claro, cada corpo é único. As variações dos clitóris podem ocorrer em  tamanho, cor e formato, apenas.

Tamanho

Existem alguns clitóris cuja glande (parte visível do órgão na vulva) é bem pequena e quase passa despercebida debaixo de sua capa. Outras possuem clitóris maiores, que são facilmente identificáveis. Na média o tamanho varia entre 0,2 a 0,5 cm de diâmetro, mas pode ser maior em algumas mulheres, sem que isso signifique algum problema.

Quando estimulado, o clitóris pode aumentar de tamanho e ficar ereto como o pênis, mas na maioria das vezes esse movimento passa despercebido. Também como no caso do pênis, o tamanho do clitóris não tem relação alguma com as sensações que ele pode trazer, dependendo muito mais do estímulo e excitação do que qualquer outra coisa. 

E um detalhe: o clitóris continua crescendo ao longo da vida assim como a orelha e o nariz. Além disso, ele não envelhece, o que significa que pessoas de todas as idades podem desfrutar de seus poderes. Maravilha, né?

Formato

O formato do clitóris acompanha o formato da vagina, ou seja, pode variar muito de pessoa para pessoa. Alguns possuem uma capa maior, que é essa pele que rodeia a vulva é forma os grandes e pequenos lábios, outro são mais proeminentes. Mas não se preocupe: essa variável em nada influencia na sensação de prazer.

Corpo feminino: um guia sem frescuras!

Cores

A cor do clitóris em nada tem a ver com a cor da pele, mas sim com a cor da vagina. Não há um padrão de cor para o clitóris assim como não há uma cor padrão para o pênis. E, é claro, a cor não influencia em nada na sensação de prazer!

Onde fica o clitóris?

Eis uma dúvida universal. Como dissemos no início deste texto, muitas pessoas não conhecem o próprio corpo, mas nunca é tarde.

Para encontrar o clitóris, podemos falar da parte visível e da parte não visível. A parte visível fica no topo da abertura da vagina, logo acima da uretra, onde fica a junção dos pequenos lábios. Ele chega a ficar com 2 cm quando está ereto, e é só a ponta do iceberg: ela tem, em média, 10 cm de comprimento de cada lado da vagina. A parte maior, que fica por dentro da vagina é a parte não visível. Assim, o clitóris pode ser estimulado tanto na parte interna quanto na parte externa.

Como achar meu clitóris?

A forma mais fácil de encontrá-lo é por meio do toque e, quanto mais você se tocar e criar esse hábito, mais fácil será de encontrá-lo. 

Há uma boa técnica que vai tornar essa tarefa bem mais fácil: mergulhe o dedo na abertura vaginal delicadamente e suba com ele até o púbis em uma linha reta. O clitóris será um protuberância que encontrará no caminho.

Lembre-se de que sem excitação ele mede cerca de 0,5 cm, então tenha paciência e atenção.

Você também pode usar um espelho para encontrá-lo por meio da visão. Você verá uma pequena protuberância, logo acima, perto da abertura dos pequenos lábios. De quebra, ainda conhece várias outras partes importantes para o seu prazer e saúde! 

Você pode se sentir meio desconfortável na primeira vez que observar sua própria vulva em um espelho, mas faça o possível para se mover adiante neste primeiro momento. Criar esse hábito é importante não só para o seu prazer, mas também para a sua saúde como um todo. Mais e mais, você vai aprendendo a ler os sinais que seu corpo está dando! 

Como o clitóris funciona?

A sensação de prazer causada pelo clitóris é regulada pelos nervos somáticos e autônomos. Isso quer dizer que o clitóris funciona por meio de estímulos voluntários e involuntários. 

Os  estímulos nervosos originados do clitoris conseguem atingir diversas áreas do cérebro, mas nossa ciência ainda está avançando nas descobertas.

Até o momento do orgasmo, as coisas funcionam de uma maneira muito parecida no cérebro feminino e masculino. Mas após isso, as diferenças começam. O cérebro “masculino” não consegue responder imediatamente a uma estimulação adicional depois do orgasmo, já o cérebro “feminino” continua ativado. É provavelmente por isso que as mulheres conseguem ter orgasmos múltiplos e os homens não.

Quando a excitação aumenta e estamos quase chegando ao orgasmo, o clitóris pode se deslocar para dentro e “sumir”, o que pode confundir algumas pessoas. Se acontecer com você, saiba que é normal! 

Por que o clitóris dá prazer?

A resposta está justamente na grande concentração de terminações nervosas que, como já dissemos aqui, são cerca de 8 mil. Isso, sem contar que, quando estimulado, a sensação de prazer pode se espalhar pela região pélvica. Isso, por sua vez, pode afetar mais outras 15 mil terminações nervosas presentes na região. Realmente incrível

Principais dúvidas sobre o clitóris

Posso colocar piercing no clitóris?

O clitóris é uma área com uma grande concentração de terminações nervosas. Portanto, a dor no momento da perfuração pode ser maior que em outros locais do corpo, além do maior risco de infecções e complicações como dores crônicas na região ou perda de sensibilidade. Em geral os piercings clitorianos são colocados no prepúcio do clitoris e não diretamente sobre a glande. Caso seja um desejo seu, é de extrema importância encontrar um studio de piercings e tatuagens extremamente confiável, que faça a higienização correta da sala e dos instrumentos. Jamais, em hipótese alguma, tente fazer isso em casa!

Lembrando que, como a região genital passa a maior parte do dia dentro das roupas, é uma área que fica úmida e abafada. Portanto, os cuidados com a higienização precisam ser maiores. Até ocorrer a cicatrização completa, é importante lavar a área com sabonete íntimo neutro, pelo menos, 2 vezes ao dia, e manter o local o mais arejado possível. 

O piercing no clitóris em geral não atrapalha em nada a relação sexual uma vez 100% cicatrizado, podendo ainda aumentar a sensação de prazer para algumas pessoas.  

Espinha no clitóris, o que fazer?

Quem diria que a espinha poderia aparecer até no clitóris? Pois é, pode aparecer, mas não precisa se preocupar com isso. Ela pode causar um certo incômodo e até mesmo dor, mas o mais importante é não tentar espremer. Até porque, com tantas terminações nervosas nesse local, a dor vai ser bem significativa.

O mais importante a se dizer é: se surgir qualquer coisa estranha no clitóris, vá ao ginecologista! Peça para ele avaliar e siga todas as orientações que o especialista passar.

Espinha na vagina: como lidar com esse inconveniente?

Dor no clitóris, o que fazer?

A dor no clitóris pode acontecer pelos mais diversos motivos. Um deles é a presença de uma espinha, como acabamos de falar. Procure ajuda médica!

Uma causa relativamente comum para isso é uma doença conhecida como Vulvodínia. A dor começa na região genital como um todo e pode incluir o clitóris. Além de dor, inclusive na relação sexual, pode causar inchaço, irritação e sensação de queimação.

Clitóris coçando, o que fazer?

A coceira é o sinal que o corpo dá de que algo não vai bem. Coceira na região genital ou, mais precisamente, no clitóris, principalmente se rolar com certa frequência, pode ser um alerta de que tem um problema na área. 

O que fazer? A primeira coisa é ir ao ginecologista e identificar o problema para começar o tratamento.

Lembre-se de que a vulva é um local cheio de microorganismos e as infecções podem aparecer, inclusive por problemas emocionais. Por exemplo, quando estamos muito estressados ou preocupados com algo, a nossa imunidade abaixa e um processo infeccioso pode começar pela proliferação das bactérias e fungos  que colonizam a genital feminina.

A coceira no clitóris pode acontecer também após a relação sexual. A sensibilidade elevada por mais tempo que a média pode levar a algum tipo de coceira ou irritação. São sensações que costumam se resolver sozinhas depois de alguns minutos ou horas. Se isso não acontecer, o melhor a fazer é procurar um médico.

Meu clitóris está inchado, o que fazer?

Essa é outra modificação que pode acometer o clitóris e que você deve estar atenta. Quando essa região está inchada, pode representar o sinal de uma alergia ou inflamação como acontece em qualquer outra parte do corpo.

Lembrando que, quando a mulher está excitada, é normal que o clitóris tenha uma ereção como já dissemos. Ele aumenta de tamanho, passando de 0,5 centímetros para até 2 centímetros. Portanto, o fato de o clitóris estar inchado depende muito da situação do momento.

Viu como o clitóris é um órgão complexo e de grande importância para mulher? Passe a se conhecer mais, se toque mais e entenda como o seu corpo pode ser uma fonte de prazer. Torne isso um hábito e entenda que é algo natural!

E aí, gostou desse conteúdo? Não deixe de contar pra gente nos comentários!

Referências: 

Freud, S. Sobre a sexualidade feminina, in: O mal-estar na civilização, novas conferências introdutórias à Psicanálise e outros textos. (Souza, P. C. de, Trad., 1a. ed, Vol. 18). São Paulo: Companhia das Letras. (Obra original publicada em 1930-1936).

Komisaruk BR, Wise N, Frangos E, Liu WC, Allen K, Brody S. Women’s clitoris, vagina, and cervix mapped on the sensory cortex: fMRI evidence. J Sex Med. 2011;8(10):2822-2830. doi:10.1111/j.1743-6109.2011.02388.x

O’Connell, Helen & Sanjeevan, Kalavampara & Hutson, John. (2005). Anatomy of the Clitoris. The Journal of urology. 174. 1189-95. 10.1097/01.ju.0000173639.38898.cd. 

Puppo V, Puppo G. Anatomy of sex: Revision of the new anatomical terms used for the clitoris and the female orgasm by sexologists, Clinical Anatomy, 2015.

O’CONNELL, H. E., Sanjeevan, K. V., & Hutson, J. M. (2005). Anatomy of the clitoris. The Journal of urology, 174(4), 1189-1195.

Pauls, R. N. (2015). Anatomy of the clitoris and the female sexual response. Clinical Anatomy, 28(3), 376-384.

Masters, W. H., & Johnson, V. E. (1963). The clitoris: An anatomic baseline for behavioral investigation. Determinants of human sexual behavior. Charles C. Thomas, 44-51.

Mazloomdoost, D., & Pauls, R. N. (2015). A comprehensive review of the clitoris and its role in female sexual function. Sexual medicine reviews, 3(4), 245-263.

Gostou? Compartilhe!

Gostou? Compartilhe!

Por: Redatora E aí, rolou?


Deixe seu comentário